Dinamarca

DinamarcaFederação Dinamarquesa de Futebol

We care about football

Dinamarqueses ainda e sempre à altura

As tradições futebolísticas da Dinamarca remontam a 1889, ano que assinalou a fundação da sua federação nacional de futebol.
Dinamarqueses ainda e sempre à altura
O autor dos golos da Dinamarca, John Jensen, ergue o troféu depois da vitória, por 2-0, contra a Alemanha no EURO '92 ©Bob Thomas/Getty Images

Dinamarqueses ainda e sempre à altura

As tradições futebolísticas da Dinamarca remontam a 1889, ano que assinalou a fundação da sua federação nacional de futebol.

Fundada a 18 de Maio de 1889, a Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU) foi a primeira da modalidade a ser criada na Europa continental. Contudo, na altura, apenas um dos 20 clubes sediados em Copenhaga se dedicava exclusivamente a este desporto e o primeiro presidente da DBU, F.I.A. Markmann, tinha mesmo um passado ligado ao cricket e ao ténis. O futebol, tal como o cricket, foi introduzido na Dinamarca por expatriados britânicos que chegaram ao país em 1847, para construir os caminhos-de-ferro.

O interesse pelo cricket continuou limitado aos círculos sociais privilegiados, enquanto o futebol se tornou rapidamente num desporto muito popular. Foi pela primeira vez apresentado a um público curioso, em Setembro de 1879, pelo Københavns Boldclub (KB), cujo departamento de futebol era comporto por 70 membros. Em 1881, o KB criou uma secção de futebol juvenil e, a 16 de Dezembro de 1883, organizou o primeiro jogo amigável entre dois clubes na Dinamarca. O futebol prosperou a partir dessa altura, com o Partido Trabalhista dinamarquês a dominar o novo jogo da classe trabalhadora.

Na época de 1889/90, a DBU patrocinou uma competição que envolveu sete clubes de Copenhaga. Em 1913 foi disputado um campeonato dinamarquês, mas foi apenas em 1929/30 que uma Liga completa foi organizada, com dez equipas na primeira divisão. Em 1936 surgiu uma segunda divisão e, em 1945, uma terceira. Apenas em 1958 foram efectuadas modificações na estrutura competitiva, quando a época de Outono/Primavera foi alterada para uma temporada anual, com final em Novembro. As três divisões passaram a comportar, igualmente, 12 clubes cada. Em 1992 foi lançada a Superliga dinamarquesa e, de imediato, regressou a temporada Outono/Primavera. Os primeiros cinco anos da renovada competição tiveram outros tantos campeões diferentes, numa demonstração da dispersão de forças no futebol do país.

A Dinamarca assumiu, entretanto, um papel pioneiro dentro do futebol europeu, com Ebbe Schwartz a tornar-se no primeiro Presidente da UEFA, em 1954. Mas nessa altura, o futebol no país fazia uma travessia do deserto, devido à divisão reinante na Europa entre o profissionalismo ocidental e o amadorismo de Leste. E só em 1971 é que a DBU aceitou integrar na selecção nacional os jogadores profissionais dinamarqueses que actuavam no estrangeiro.

Após duas décadas de sucessivos desaires, intercalados apenas por uma medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 1960, os dinamarqueses enveredaram pelo semi-profissionalismo em 1978. Apenas nove dos 48 clubes das Ligas optaram por manter o seu carácter amador, mas foi preciso esperar até 1985 para surgir uma equipa totalmente profissional, com o Brøndby IF a assinar contrato a tempo inteiro com 20 futebolistas.

Ao mesmo tempo, os programas de formação de jovens jogadores iam dando os seus frutos, ao ponto de Allan Simonsen ser eleito Futebolista Europeu do Ano, em 1977, e de a selecção nacional começar a destacar-se nas grandes competições internacionais. A conquista do campeonato da Europa, em 1992, na Suécia, foi o culminar do trabalho desenvolvido nessa área. A Dinamarca apurou-se para 11 das 15 últimas grandes competições internacionais - incluindo seis presenças no EURO, entre 1984 e 2004 -, com um vasto lote de talentosos jogadores a brilhar ao mais alto nível. Nenhum outro, contudo, brilhou tanto como Michael Laudrup, eleito em 2007 como Melhor Futebolista da História da Dinamarca.

Outra figura-chave do futebol dinamarquês tem sido Morten Olsen. Primeiro jogador a atingir os 100 jogos com a camisola da selecção do seu país, em 1989, tornou-se depois num conceituado treinador de clubes na Dinamarca e no estrangeiro antes de, em 2000, ser apresentado como seleccionador nacional. A importância de Olsen ficou vincada em Outubro de 2009, no encontro com a Suécia, de qualificação para o Campeonato do Mundo de 2010, que carimbou o passaporte dos dinamarqueses para o Campeonato do Mundo da África do Sul. Foi o centésimo jogo de Olsen ao leme da selecção, tornando-o no primeiro homem a atingir os 100 jogos pela Dinamarca quer como jogador, quer como treinador. Comandou a Dinamarca em dois Europeus e em duas fases finais do Campeonato do Mundo.

http://pt.uefa.com/member-associations/association=den/news/newsid=946224.html#dinamarqueses+ainda+sempre+altura

Passar ao topo  

Presidente

 

Jesper Møller

Jesper Møller

Nacionalidade: Dinamarquesa
Data de nascimento: 9 de Junho de 1963
Presidente da federação desde: 2014

• Advogado de profissão, Jesper Møller foi futebolista enquanto jovem, ao serviço do Frem Skørping. Ainda assim, prosseguiu a carreira como dirigente, integrando a direcção do Aalborg BK em 1993 e tornando-se presidente do clube das divisões amadoras no ano 2000.

• Em 1998, Møller passou a integrar a direcção da Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU), representando os interesses dos clubes da Liga. Em 2004, passou a ser vice-presidente, acabando por ser eleito para a presidência a 1 de Março de 2014.

• "Vejo-me como uma pessoa aberta, espontânea e com um raro sentido de humor", explicou o presidente. "Como presidente, vou trabalhar com abertura e diálogo, solidariedade e coesão. Quero dialogar, em particular, com os clubes."  

Secretário-Geral

 

Claus Bretton-Meyer

Claus Bretton-Meyer

Nacionalidade: Dinamarquesa
Data de nascimento: 
24 de Dezembro de 1965
Secretário-geral da federação desde:
 
2014

• Claus Bretton-Meyer tem passado militar e ainda é oficial na reserva. Estudou na Copenhagen Business School e utiliza os conhecimentos adquiridos no cargo de director-geral da Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU). Desenvolveu a capacidade de gestão desde muito novo, como sargento, quando tinha 50 jovens sob seu comando.

• Bretton-Meyer é apaixonado por correr e esqui, e também foi jogador de basquetebol. O novo "slogan" da DBU: “Parte de algo maior” também tem significado especial para o director-geral, pois demostra a determinação da DBU em contribuir para a sociedade com valores como o exercício, a integração e a inclusão. "Também mostra humildade em relação ao que nos rodeia", explicou. "Quando um jogador da selecção entra num estádio cheio, sente que faz parte de algo maior."

• Bretton-Meyer assumiu o actual cargo em Março de 2014 depois de ter sido director-executivo da televisão TV2 Sport.

Dados da Federação

  • Fundação: 1889
  • Afiliação à UEFA: 1954
  • Afiliação à FIFA: 1904
  • Morada: House of Football DBU Allé 1 2605 BRØNDBY
  • Telefone: +45 43 262 222
  • Fax: +45 43 262 245

Coeficiente de clubes por país

PaísClubesPts
16ÁustriaÁustria3/424.600
17RoméniaRoménia2/523.950
18DinamarcaDinamarca1/422.250
19BielorrússiaBielorrússia0/419.875
20SuéciaSuécia0/419.725
Última actualização: 07/12/2016 08:39 CET

Palmarés das Selecções Nacionais

Competições domésticas

Liga dinamarquesa 2016/17

ClubesJPts
1FC København2254
2Brøndby IF2243
3Lyngby BK2234
4FC Midtjylland2233
5Randers FC2232
6SønderjyskE2230
7Aalborg BK2229
8Silkeborg IF2227
9AC Horsens2227
10FC Nordsjælland2225
11AGF Aarhus2223
12Esbjerg fB2222
13Odense BK2221
14Viborg FF2218
Última actualização: 20/02/2017 20:35 CET