Dois novos acordos antidoping

As agências nacionais antidoping da Bulgária e do Mónaco assinaram recentemente acordos de cooperação com a UEFA e vieram reforçar o trabalho concertado contra o doping no futebol.

Violeta Zarkova, directora-executiva do Centro Antidoping da Bulgária, com Marc Vouillamoz, responsável médico e antidoping da UEFA
Violeta Zarkova, directora-executiva do Centro Antidoping da Bulgária, com Marc Vouillamoz, responsável médico e antidoping da UEFA ©Bulgarian Anti-Doping Centre

A UEFA assinou acordos de cooperação com as agências nacionais antidoping (NADOs) da Bulgária e do Mónaco e reforçou o trabalho concertado contra o doping no futebol.

Estes acordos vão levar as várias organizações a coordenarem entre si os seus programas e testes antidoping, a partilharem dados e informações consideradas relevantes para o planeamento dos testes de doping. Isto também inclui a elaboração de passaportes biológicos dos jogadores no âmbito de um programa da UEFA que está na sua segunda época.

A UEFA já assinou acordos com 27 organismos, reforçando os seus esforços para a criação de uma rede de coordenação e de partilha de informação por toda a Europa.

Esta época a UEFA tem vindo a trabalhar com os NADOs europeus de forma a implementar um programa de testes e de dissuasão alargados nas competições nacionais e da UEFA. Esta cooperação pan-europeia permite que a UEFA tenha uma percepção completa dos testes de doping realizados aos jogadores a nível nacional e internacional.

O organismo responsável pelo futebol trabalhou de forma muito próxima com as NADOs dos países participantes no UEFA EURO 2016. O maior de programa antidoping de sempre na fase final de um Campeonato da Europa foi um enorme sucesso, sendo que nenhuma das amostras recolhidas pelo programa de testes da prova foi positiva.