Integridade: Sem preocupações no EURO

A introdução de um extenso programa de integridade no UEFA EURO 2016 mostrou ser uma medida positiva, não se tendo verificado qualquer problema desse âmbito ao longo do torneio em França.

©Sportsfile

O programa de integridade da UEFA no UEFA EURO 2016 foi um enorme sucesso.

O organismo máximo do futebol europeu anunciou que não foram verificados quaisquer problemas no que toca à integridade dos jogos em nenhum dos 51 desafios da fase final, em França – e para tal terá contribuído a introdução, pela primeira vez, de um extenso programa de integridade, o qual arrancou dois meses antes do início do torneio.

O programa incluiu formação, monitorização e cooperação entre todas as partes envolvidas, conferindo especial enfâse à prevenção de questões relacionadas com a manipulação de resultados e irregularidades relacionadas com apostas.

A campanha da UEFA para um EURO íntegro arrancou em Paris, em Abril, quando as 18 equipas de arbitragem escolhidas para o torneio assistiram a uma palestra sobre prevenção de manipulação de resultados durante o seu seminário de preparação. Nele foram explicados aos árbitros e árbitros assistentes os princípios fundamentais da questão da manipulação de resultados, incluindo a forma de agir em caso de abordagem com vista à viciação de um resultado, o facto de o uso de "informação privilegiada" poder ser prejudicial e o facto de estarem impedidos de fazer apostas relativas a jogos da competição.

Depois, foi a vez de as 24 selecções participantes receberem igual palestra durante as apresentações a que assistiram por alturas dos seus jogos amigáveis de preparação. Nessas sessões de prevenção foi exibido um pequeno vídeo, produzido nas 18 diferentes línguas das selecções em prova. O vídeo e as apresentações destacavam, ambos, que a manipulação de resultados constitui uma ofensa criminal em França e que qualquer actividade suspeita seria tratada quer pela UEFA, quer pelas forças da lei locais.

Tal como sucede com todos os jogos de todas as competições da UEFA, os padrões de apostas para as partidas da fase final do EURO foram monitorizadas pelo Sistema de Detecção de Fraude em Apostas da UEFA. O objectivo passou por detectar quaisquer irregularidades que pudessem indicar manipulação. Não foi detectada qualquer irregularidade em nenhum dos 51 jogos.

Foi formado um grupo de trabalho composto por elementos das diferentes partes envolvidas, de forma a garantir que a UEFA se encontrava totalmente preparada para lidar com qualquer eventual incidente. A polícia francesa e o departamento de justiça, bem como a ARJEL, autoridade francesa para as apostas, a Europol, a Sportradar, parceira da UEFA no campo da monitorização de apostas, e a entidade responsável pelas lotarias estatais de França uniram forças com a UEFA, reunindo-se regularmente ao longo do EURO para garantirem a aplicação dos procedimentos correctos.

Para além do programa de formação destinado a todos os jogadores e árbitros, também os 6500 voluntários que trabalharam no UEFA EURO 2016 foram sujeitos a um programa de aprendizagem 'e-learning' que incluía um módulo sobre manipulação de resultados.

"Estamos satisfeitos com os resultados deste programa de integridade pela primeira vez lançado especificamente para um EURO," salientou Emilio Garcia, responsável da UEFA pela integridade e disciplina.

"Através de uma estreita cooperação com a polícia francesa e com outras partes interessadas, garantimos um torneio de futebol seguro no que toca a apostas," acrescentou. "A análise levada a cabo pelo grupo de trabalho da UEFA constituído especificamente para esta área provou que os jogos do EURO foram disputados sem quaisquer preocupações no que diz respeito a questões relacionadas com a integridade."