Brych pronto para o grande momento

O árbitro alemão Felix Brych - que se prepara para dirigir a final da UEFA Champions League, no sábado, em Cardiff - explica que foi mordido pelo “bichinho” da arbitragem nos tempos de estudante.

O alemão Felix Brych vai arbitrar a final da UEFA Champions League
O alemão Felix Brych vai arbitrar a final da UEFA Champions League ©Getty Images

A capacidade para gerir diferentes personalidades que actualmente é ensinada aos árbitros de topo será muito útil a Felix Brych para dirigir, no sábado em Cardiff, a final da UEFA Champions League entre Juventus e Real Madrid.

O alemão de 41 anos está satisfeito pela oportunidade de arbitrar pela segunda vez a final de uma grande competição europeia de clubes, já que em 2014 dirigiu a final da UEFA Europa League, entre Sevilha e Benfica, em Turim.

“Temos de estar em forma e bem preparados para arbitrar a este nível, mas a gestão das personalidades é outro aspecto muito importante para arbitrar um jogo", explicou Brych, que é doutorado em direito.“Trabalhamos em conjunto com 22 jogadores e com outras pessoas, todos com personalidades diferentes. Temos que ser capazes de nos relacionarmos com todas essas personalidades.”

O árbitro de Munique vai ter a companhia de vários compatriotas no Estádio Nacional do País de Gales - os árbitros assistentes Mark Borsch e Stefan Lupp, os árbitros assistentes adicionais Bastian Dankert e Marco Fritz, e o árbitro assistente de reserva Rafael Foltyn. A equipa fica completa com o sérvio Milorad Mažić, que vai desempenhar a função de quarto árbitro

Highlights: Classic Juventus European final goals
Highlights: Classic Juventus European final goals

"O trabalho em equipa é fundamental na arbitragem e o facto de estarmos juntos há tantos anos é uma grande vantagem", explicou Brych. "Isso permite-nos saber como cada um de nós reage, não só nos ajudamos uns aos outros a tomar as decisões certas, mas também transmitimos mutuamente confiança e encorajamento."

Brych começou a arbitrar na Bundesliga alemã em 2004 e chegou a internacional em 2007. Tornou-se árbitro aos 18 anos, mas já antes se sentia atraído pela função.

“Era jogador, mas sofri uma lesão grave e passei para a arbitragem", recordou. "Já tinha arbitrado alguns jogos na escola, por isso penso que senti desde muito novo o chamamento da arbitragem."

"Nunca tive grandes ídolos na arbitragem, embora estivesse sempre atento à forma como os principais árbitros dirigiam os jogos que via pela televisão quando era mais jovem. Nunca copiei ninguém, era importante desenvolver a minha própria personalidade."

Brych destaca que a arbitragem foi fundamental no seu desenvolvimento pessoal. “Ser um árbitro teve uma grande influência na minha vida", confessou. “Ajudou-me a crescer como pessoa, porque aprendemos a gerir as mais diferentes situações, assim como a olhar por nós próprios e a estar em forma."

Resumo: Veja os golos de todos os 11 triunfos do Real Madrid na Taça dos Campeões
Resumo: Veja os golos de todos os 11 triunfos do Real Madrid na Taça dos Campeões

O alemão também está consciente do papel fundamental que os árbitros desempenham no respeito pelas Leis do Jogo e na protecção dos jogadores no campo. "Acho que todos os envolvidos no futebol têm a responsabilidade de proteger a imagem da modalidade", destacou Brych.  

Quando era mais jovem, Brych assistia aos jogos da UEFA Champions League e sentia a enorme emoção antes do pontapé de saída. Em Cardiff promete estar totalmente concentrado quando alinhar com as equipas.

"Quando entrarmos todos em campo e tocar o hino da UEFA Champions League, eu e a minha equipa estaremos totalmente concentrados no jogo", explicou. "Estaremos determinados em fazer um bom início pois, tal como os jogadores, ficamos mais confiantes quando tudo corre bem nos primeiros minutos."

"É uma honra ser escolhido para o jogo de clubes mais importante da Europa, estou ansioso que comece."