Narração áudio para adeptos cegos no EURO

A UEFA implementou um Serviço de Comentários Áudio-descritivos (ADC) para adeptos cegos e parcialmente invisuais no EURO 2016, com o objetivo de deixar um legado e melhorar o acesso ao futebol.

A UEFA tem vindo a implementar um Serviço de Comentários Áudio-descritivos (ADC) para os adeptos cegos e parcialmente invisuais no UEFA EURO 2016, com o objetivo de deixar um legado e melhorar o acesso ao futebol na segunda edição consecutiva em que isso acontece.

A narração áudio oferece o comentário de um especialista para as pessoas com pouca ou nenhuma visão, com a narração adicional a substituir a informação visual. Os adeptos podem usar os seus rádios para sintonizar as frequências FM ou pedir a um voluntário EURO no estádio para emprestar um dos auscultadores disponibilizados para os jogos.

O objectivo da UEFA é aumentar o acesso ao futebol em directo e aproveitar o poder do desporto para contribuir para a inclusão social. O ADC já está disponível em países como Áustria, Bélgica, Alemanha, Polônia, Ucrânia e Reino Unido, mas esta é a primeira vez que é implementado em França.

A UEFA tem vindo a trabalhar em estreita colaboração com o Centro para o Acesso ao Futebol na Europa (CAFE), seu parceiro de responsabilidade social, e as autoridades dos estádios no âmbito do programa "Respeito – Accesso para todos", do EURO 2016, com o objectivo de oferecer este serviço em francês durante a prova. Para além disso, pretende deixar um legado, já que os equipamentos de emissão serão doados aos estádios após a fase final.

Quarenta entusiásticos alunos de jornalismo franceses receberam formação do CAFE e da sua parceira local, Aveugles de France, para poderem disponibilizar o serviço aos adeptos cegos nos estádios. Vão descrever tudo o que se passa em campo, os golos, o resultado e a posições dos jogadores. Os comentários serão também alargados às expressões faciais, rituais de jogo, cores de equipamentos e cortes de cabelo dos jogadores, mas também a tudo o que acontece nas bancadas, como as comemorações, as bandeiras, as roupas e o ambiente criado pelos adeptos.

Kevin Venderborght, um adepto cego de 32 anos, que saiu da sua casa em Charleroi às 02h00 para apoiar a Bélgica no encontro com a República da Irlanda, em Bordéus, partilhou a sua experiência no final do jogo: "O que mais gosto no futebol é o ambiente incrível e estar rodeado pelos amigos".

"É muito intenso, ficámos com muitas recordações e vivemos jogos importantes em conjunto. A narração áudio permite que todas as pessoas que têm deficiências visuais possam perceber os detalhes do ambiente e sentir emoções intensas, como qualquer verdadeiro adepto".

Clique no vídeo acima para saber mais sobre este serviço