Consciência sobre daltonismo na final da Europa League

O UEFA Europa League Festival mostrou de que forma os daltónicos vêem o futebol - na perspectiva de um jogador, adepto ou treinador - aumentando a consciencialização sobre o tema entre a família do futebol.

Jogo sobre a consciência do daltonismo
Jogo sobre a consciência do daltonismo ©Getty Images

Ser daltónico pode ser complicado em algumas situações e um jogo de futebol é uma delas. Quando um jogador não consegue fazer a distinção entre colegas de equipa e adversários devido à cor das camisolas, ou quando um adepto não reconhece facilmente a sua equipa esta deficiência pode conduzir à frustração e à exclusão.

Um em cada 12 homens e uma em casa 200 mulheres são daltónicos: uma parte significativa da população. Para além disso, é importante que as suas necessidades sejam tidas em conta, assegurando que o futebol é uma experiência inclusiva e que os jogadores daltónicos podem consumar o seu potencial. UEFA, federações e clubes têm a responsabilidade de atender a essas necessidades.

Na véspera da final da UEFA Europa League, a área neutra da fan zone em Kungsträdgården, no centro de Estocolmo, foi palco de uma partida de futebol ilustrando de que forma os daltónicos vêem uma partida de futebol. Organizado em colaboração com a Federação Sueca de Futebol (SvFF), a Colour Blind Awareness, o Centro para o Acesso ao Futebol na Europa (CAFE) e a UEFA a experiência teve um forte impacto.

A primeira equipa começou o jogo com camisolas vermelhas e a segunda de verde vivo. A meio da partida as equipas despiram as suas camisolas, revelando por baixo outras, verde azeitona, demonstrando que, por vezes, são perceptíveis pelos daltónicos as cores verde e avermelhada. Da forma como as equipas jogaram, a confusão foi bastante evidente para jogadores e adeptos sendo que o vermelho e o verde não são as únicas cores que podem causar problemas.

O seleccionador da Noruega, Lars Lagerbäck, que é daltónico, assistiu à partida e afirmou:

“Ser daltónico não é, talvez, o maior dos problemas, mas é importante que toda a gente tenha a consciência de que há dificuldade em distinguir entre duas cores diferentes, em particular o verde e o vermelho. As federações podem, claro, ajudar abdicando, em particular, das cores vermelha e verde, pois são as mais difíceis para os daltónicos.”

Esta primeira iniciativa será seguida de outras por toda a Europa, como é o caso do lançamento para breve de um guia de orientação para daltónicos produzido pela Federação Inglesa de Futebol (FA).

O futebol está apenas a começar o seu contributo para aumentar a consciencialização sobre as dificuldades enfrentadas pelos daltónicos na modalidade, procurando soluções para resolver os seus problemas.

Clique acima para ver o vídeo.