Presidente da UEFA apela ao diálogo e à união

O Presidente da UEFA, Michel Platini, emitiu uma declaração na sequência do anúncio do acordo provisório entre UEFA e a Associação Europeia de Clubes sobre a renovação do Memorando de Entendimento.

©UEFA

O Presidente da UEFA, Michel Platini, emitiu a seguinte declaração no rescaldo do anúncio, esta semana, de que UEFA a e a Associação Europeia de Clubes (ECA) tinham chegado a um acordo provisório sobre a assinatura do renovado Memorando de Entendimento entre os dois organismos.

"Na reunião estratégica da UEFA, realizada no Chipre, em Setembro, as federações-membro da UEFA e o Comité Executivo confiaram-me a tarefa de concluir um novo memorando de entendimento com a Associação Europeia de Clubes (ECA). Tal como anunciado esta semana pelo presidente da ECA, na reunião geral do organismo, chegámos a acordo em relação a todos os aspectos do memorando, e estou muito satisfeito com o desfecho destes longos meses de negociações. Este novo memorando de entendimento vai ser apresentado ao Congresso da UEFA a 22 de Março, e não tenho dúvidas de que, com o consentimento das 53 federações-membro da UEFA, vai permitir ao futebol europeu desenvolver-se numa atmosfera calma, como tem sido nos últimos cinco anos."
 
"No entanto, algumas partes do acordo ainda estão pendentes, já que estão sob a responsabilidade legítima e exclusiva da FIFA, o órgão gestor do futebol mundial. Um desses aspectos é o calendário internacional. Em relação a este ponto e outros, como por exemplo os seguros, a UEFA elaborou propostas inovadoras, que são apoiadas pelos vários membros da família do futebol europeu, incluindo os clubes e federações, e que foram criadas para corresponder aos melhores interesses de todas as federações mundiais. A UEFA propõe, por exemplo, que todos os jogadores sob contrato com um clube europeu devam estar segurados quando alinham pela respectiva selecção, seja ela europeia ou não."
 
"As propostas da UEFA foram pensadas e elaboradas em consonância com a FIFA e acredito que, apesar das tensões recentes entre a ECA e a FIFA, o presidente da FIFA vai encontrar uma solução que seja vantajosa para todos os envolvidos. A sua experiência e determinação em alcançar um compromisso que satisfaça todas as partes vai permitir salvaguardar os melhores interesses do futebol. É através do diálogo e união que se vai atingir este objectivo."