Rummenigge saúda acordo entre a UEFA e a ECA

O presidente da Associação Europeia de Clubes, Karl-Heinz Rummenigge, disse ao UEFA.com que o recente acordo com a UEFA prova a harmonia actual existente na família do futebol no continente.

UEFA President Michel Platini and Karl-Heinz UEFA President Michel Platini and Karl-Heinz Rummenigge, chairman of the European Club Association, sign the Memorandum of Understanding during the UEFA Congress in IstanbulRummenigge, chairman of the European Club Association executive board, sign a Memorandum of Understanding
UEFA President Michel Platini and Karl-Heinz UEFA President Michel Platini and Karl-Heinz Rummenigge, chairman of the European Club Association, sign the Memorandum of Understanding during the UEFA Congress in IstanbulRummenigge, chairman of the European Club Association executive board, sign a Memorandum of Understanding ©UEFA.com

O presidente da Associação Europeia de Clubes (ECA), Karl-Heinz Rummenigge, expressou a sua satisfação pelo acordo celebrado entra a UEFA e a ECA que resultou na assinatura de um novo Memorando de Entendimento para o período entre 2012 e 2018.

O memorando foi assinado no XXXVI Congresso Ordinário da UEFA, em Istambul, esta quinta-feira, por Rummenigge e pelo Presidente da UEFA, Michel Platini, e vinca a relação proveitosa entre as duas instituições.

Com este novo acordo, a UEFA vai, a partir de Junho, fazer um seguro que cubrirá o risco de lesões dos jogadores dos clubes europeus quando estes estão a competir nas selecções nacionais, independentemente da sua nacionalidade. Os clubes irão também receber uma verba aumentada de 100 milhões de euros dos lucros gerados pela fase final do UEFA EURO 2012, que decorrerá este Verão na Polónia e na Ucrânia, em reconhecimento pela importante contribuição para o sucesso do torneio. Essa quantia aumentará para 150 milhões aquando do UEFA EURO 2016, a disputar em França.

O papel dos clubes no processo de tomada de decisões da UEFA vai igualmente ser reforçado e as propostas relativas à alteração do calendário internacional, sujeitas a aprovação pela FIFA, organismo que tutela o futebol mundial, incluem nove jornadas duplas de encontros num período de dois anos sem a existência de amigáveis, para além da remoção do particular disputado em Agosto.

"Tivemos muitas conversas, muitas reuniões, mas, no final, as duas partes estão satisfeitas por chegar a este acordo", disse Rummenigge ao UEFA.com. "Isto prova que na família do futebol europeu existe uma espécie de lealdade e harmonia, pelo que, obviamente, tudo isto é importante para haver uma boa gestão dos dois interesses."

"Temos, por vezes, interesses diferentes", acrescentou o também director executivo do FC Bayern München, "mas, com este acordo, chegámos a um bom e proveitoso equilíbrio."

No futuro, o Comité de Competições de Clubes da UEFA, composto essencialmente por representantes dos clubes, terá "Direito de Veto" em todas as decisões que possam afectar as competições de clubes. "É muito importante podermos participar no processo de tomada de decisões, porque acredito que todas as decisões tomadas pela UEFA ou pela FIFA afectam o nosso negócio", afirmou Rummenigge. "Temos uma posição muito importante."

O antigo internacional alemão saudou também o acordo obtido relativo aos seguros, bem como as propostas sobre o calendário internacional. "Isto é o reconhecimento por parte da UEFA que os clubes na Europa estão a ter contribuição positiva para os grandes torneios e que a UEFA está a ser justa", disse Rummenigge sobre o tema dos seguros.

Michel Platini e Karl-Heinz Rummenigge foram adversários nos relvados em vários grandes jogos, com destaque para as meias-finais do Campeonato do Mundo de 1982 e de 1986. "Somos 'velhos conhecidos', como eu lhe disse", afirmou Rummenigge. "Defrontámo-nos muitas vezes no relvado. Lembro-me de ter ficado muito satisfeito quando [a Alemanha] seguiu em frente [ao bater a França] na meia-final de 1982 e, de novo, no México, quatro anos depois – mas não quero recordá-lo sobre isto porque é muito duro."

"O resultado do que aconteceu no campo sempre foi muito importante para ambos", continuou Rummenigge. "Mas o respeito e o 'fair play' foram também muito importantes para nós. Penso que em todas as nossas reuniões, apesar das naturais dificuldades que existiram, sempre nos encontrámos de maneira muito respeitosa. Esse foi um dos factores decisivos para encontrarmos soluções."